Segunda-feira, 30 de Abril de 2007

SER

Absorto no decifrar do enigma que faz com que tudo comece e acabe no porquê do ser, do viver e do amar...

...vou perdendo, a pouco e pouco, o prazer de ser um ser a viver o deslumbramento do amar.

 

Neste enigma a decifrar a dois, aguardo pela tua companhia.
publicado por A. Carvalho às 07:35
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Abril de 2007

DESEDIU

Falavas da morte.

Curiosa reacção quando, enrodilhados em pernas, braços e sentimentos lançávamos gritos sentidos oriundos de orgasmos violentos e molhados. Lembras-te?

- Para quem sabe ir entrar no “paraíso”, que mais poderá desejar senão a morte?

 

Como te entendo, agora, e entendendo-te… como me apetece partilhar (de novo) esse desejo.
publicado por A. Carvalho às 07:32
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

RABIA

Ás vezes, escrever... é como um campo de batalha onde exércitos se confrontam.

São palavras que se arremessam e se desfazem no ar.

São letras bandeiras que nunca se firmam.

São frases sentidas mortas para não ferirem.

São páginas degoladas antes de serem rascunho.

São textos fervilhantes trespassados por punhais frios.

É morte e é vida...

Corpo a corpo finito que se fina numa gota de sangue feita desabafo.

 

Escrever... é matar a raiva que vai dentro de mim.

publicado por A. Carvalho às 07:36
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Abril de 2007

TELA

Afago os teus cabelos,

como o ancinho acaricia a terra.

Beijos os teus lábios,

como o mar se espraia nas pedras.

Perco-me no teu olhar,

como o colibri se perde na flor.

 

És cor... no meu leito de linho feito tela.
publicado por A. Carvalho às 07:25
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 2 de Abril de 2007

CALENTE

Melodia de encanto…

constante, métrica, pausada. Às vezes embala, adormece, exalta, exaspera. A paixão, di-la romântica. A solidão, companheira, letárgica, amiga.

Sem compasso, tempo definido.

Sempre a mesma, igual a si própria. Quente, morna, fria… pura.

Pressente-se ao longe, sente-se ao perto, entranha-se na jornada.

Inspiradora de sentidos, desabafos…

 

De mansinho, segredaram-lhe ao ouvido: “A chuva parou. Vamos olhar o arco-iris?”

publicado por A. Carvalho às 07:35
link do post | comentar | favorito

posts recentes

INTROSPECÇÃO (II)

INTROSPECÇÃO

APETITES

LESBOS

MELANCOLIA

"BOCA-DOCE"

TEMPO

UNO (II)

CORRESPONDÊNCIA

PERDIDAMENTE

arquivos

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

blogs SAPO

subscrever feeds