Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

STELLA

Caminho pela areia rendido à estranha violência de uma água que teima em me trucidar a carne.

Vislumbro conchas disformes pelos humores de ondas sádicas...

pedaços de madeira de barcos torturados...

cordas desfiadas que não suportaram um enforcamento...

cadáveres putrefactos de gaivotas que sucumbiram ao tédio.

 

Pelos trilhos de uma “Estrela” fria, agreste, granítica, faço por esquecer um outro mar, mais meigo, mais doce, mais quente... que já foi nosso.
publicado por A. Carvalho às 07:35
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

EXAGIU (DUO)

Ensaio a pose com que te vou reencontrar.

As palavras. O tom da voz.

Procuro o perfume do primeiro encontro.

A mesma camisa sobre a descontraída ganga que beijava ao de leve os “mocassins” azuis-escuros.

As estrelas do céu, que partilharam o nosso olhar, o nosso encontro de mãos, o nosso beijo... lá estarão.

Pouco falta para tão esperado momento. Eu, ansioso...

 

acordei, contrariado, pela língua meiga do “Pluto” que insistentemente me acariciava a mão.
publicado por A. Carvalho às 07:33
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Junho de 2007

ESSENTIA

Na ausência presente de um tempo passado,

reavivo passados presentes de corpos ausentes.

Begónias, Camélias, Rosas... Flores.

Essências únicas, de “Grasse”…

 

acordam, de quando em vez, libertando odores à muito adormecidos.

publicado por A. Carvalho às 07:33
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Junho de 2007

EXAGIU (UNO)

O ranger da apodrecida chapa de ferro suspensa no carcomido poste da beira de estrada despertou-me do repetitivo e letárgico enamoramento partilhado com a máquina. Pedalava por sobre nuvens, mares, jardins e desertos, abstraído por completo da realidade envolvente.

O ranger da apodrecida chapa de ferro, suspensa no carcomido poste da beira de estrada, arrastou-me para um cenário (i)real de “cowboys” e poeiras, cavalos e diligências! O xerife, com parecenças de Clint Eastwood, empunhava o revólver direccionado a um fora de lei à muito procurado (e da porta do “Saloon”, o taciturno cangalheiro lançava um olhar, de soslaio, na esperança de que os ruídos do piano e os gritos estridentes das “meretrizes” lhe soassem a finado).

O sol, ainda tórrido, já se despedia da pradaria...

 

deixando-me a pedalar por sobre nuvens, mares, jardins e desertos, abstraído por completo da realidade envolvente.
publicado por A. Carvalho às 07:32
link do post | comentar | favorito

posts recentes

INTROSPECÇÃO (II)

INTROSPECÇÃO

APETITES

LESBOS

MELANCOLIA

"BOCA-DOCE"

TEMPO

UNO (II)

CORRESPONDÊNCIA

PERDIDAMENTE

arquivos

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

blogs SAPO

subscrever feeds