Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

SOMNIU

Sonha com um sonho há muito sonhado.

Sonha-o como um sonho que se sonha...

e que talvez nunca encarne.

Mas sonha!

 

(Porque sonhar... é isso mesmo.)

publicado por A. Carvalho às 09:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

CORNU

As mamas, trabalhadas como Miguel Ângelo trabalhou o mais fino mármore de Carrara, transbordam volúptia, sensualidade.

- Foram-lhe “oferecidas” por um namorado fanático das grandezas!

O rabo, digno da sensibilidade de Cargaleiro, convida ao toque, à apalpação.

- Foi “patrocinado” pelo seu amante, apreciador das “bundas” de Vera Cruz!

O rosto… bem, o rosto é uma intersecção das pinceladas de Da Vinci, das excentricidades de Dali ou dos devaneios de Picasso.

- Resultou de ocasional capricho proporcionado por mero deslumbramento pedântico de um industrial da construção civil!

Ele, o mais íntegro (?) de todos, seu marido, espera…

 

… e espera tão só que a medicina lhe permita “apadrinhar” a tão necessária “plástica” ao cérebro que ela urgentemente necessita (sic)!
publicado por A. Carvalho às 08:20
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

EXAGIU (TRÊS)

Os olhos, fixos nos olhos que se esbatiam no espelho mostravam-se alheios ao ziguezaguear da fria lâmina que ia escanhoando a pele.

Nas faces, cobertas de uma espuma que lembrava neve, imaginou-se a deslizar, encosta abaixo, rumo a um fim de dia (mais um) repetitivo e monocromático.

Por momentos, imaginou que poderia surgir uma nova cor!

Mas… porque haveria de surgir uma nova cor? Que tonalidade lhe daria o prazer que procurava (se é que procurava)?

 

Uma gota de sangue, vermelha, viva, brotou da sua face como que acordando-o para a realidade.

publicado por A. Carvalho às 07:38
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

REPRAESENTARE

É o dia da morte!

Os “zombies” celebram sobre um frio naco de terra vidas defuntas encarnadas em pindéricos “bouquets” incolores de sentido.

As lágrimas, forçadas, insossas, fétidas, jorram de “máximas cloacas” profundas, longas, cor de breu… cumprindo o ritual.

São os vivos, mortos, a representar sem tino na cínica tina da vida.

 

No dia de finados (ou de refinados hipócritas).
publicado por A. Carvalho às 07:32
link do post | comentar | favorito

posts recentes

INTROSPECÇÃO (II)

INTROSPECÇÃO

APETITES

LESBOS

MELANCOLIA

"BOCA-DOCE"

TEMPO

UNO (II)

CORRESPONDÊNCIA

PERDIDAMENTE

arquivos

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

blogs SAPO

subscrever feeds